Ferramentas Pessoais
Acções do Documento

População moçambicana cresce em 32.4 por cento em 10 anos

Maputo, 19 Nov 09 (AIM) - A população moçambicana registou um incremento de mais de 4.9 milhões de pessoas entre 1997 e 2007, segundo os resultados do III Censo da População e Habitação, ontem divulgados, em Maputo, pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Assim, o incremento da população foi na ordem de 32.4 por cento, tendo em conta que, em 1997, esta se situava em 15.278.334 pessoas e, em 2007, a mesma passou para 20.226.296 pessoas. Segundo os dados, 29.8 por cento da população registada em 2007 vivia nos centros urbanos e, a grande maioria, 70.2 por cento, nas zonas rurais. Do total da população recenseada, 9.734.684 são homens e 10.491.612 mulheres. Isto significa que em cada 100 mulheres há 93 homens. As províncias de Nampula (Norte) e Zambézia (centro do país) totalizam, no conjunto, 38.7 por cento da população moçambicana. Com efeito, Nampula registou 3.985.285 habitantes, o que corresponde a 19.7 por cento, e a Zambézia contabilizou 3.848.274 habitantes, o mesmo que 19 por cento da população do país.De acordo com o Censo de 2007, as pessoas que professam a religião católica constituem a maioria em Moçambique (28.4 por cento da população total do pais). Em segundo lugar estão as que professam a religião islâmica (17.9 por cento) e o Zione/Sião (15.5 p r cento). De referir que uma boa parte da população (18.7 por cento) não pertence a qualquer religião.

Um dado não menos importante é que apenas um por cento da população recenseada, o equivalente a 205.554 pessoas, era constituída por estrangeiros, com destaque para malawianos (36.5 por cento) e zimbabweanos (12 por cento).

Os resultados de ontem apresentados apontam ainda para a redução da taxa bruta de natalidade, pois em 2007 em cada mil habitantes nasciam 42.2 crianças, enquanto em 1997 a taxa bruta de natalidade era de 44.4 crianças. O que não sofreu muitas alterações é a taxa de fecundidade, já que, em media, as mulheres moçambicanas tem seis filhos. Os dados de 2007 apontam que cada mulher tinha, em media, 5.8 crianças, e, em 1997, cada mulher tinha, em media, 5.9 crianças (que arredondando passa para seis crianças). Enquanto isso, a esperança de vida passou de 42.3 anos, em 1997, para 49.4 anos, em 2007. A mortalidade infantil (o número de óbitos menores de um ano em cada mil nascidos vivos) reduziu, passando de 145.7, em 1997, para 118.3 crianças, em 2007. Um outro dado importante tem a ver com o facto de a taxa de analfabetismo ter reduzido de 60.5 por cento, em 1997, para 50.4 por cento em 2007.

« Setembro 2014 »
Do
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930
INTRANET


Quem pode aceder?
Esqueceu a sua senha?