Imprensa

Governo e parceiros expandem TARV para mais moçambicanos

Governo e parceiros expandem TARV para mais moçambicanos

Os governos de Moçambique e dos EUA vão expandir o acesso aos serviços de Prevenção e Tratamento do HIV/SIDA no país, doença cuja prevalência é estimada em 13,2 por cento em todo o território moçambicano, segundo os dados do Inquérito de Indicadores de Imunização, Malária e HIV/SIDA (IMASIDA) de 2015.

Para o efeito, os governos dos dois países anunciaram hoje, em Maputo, o Plano Anual conjunto que renova a Parceria na luta contra o SIDA, através do qual fortalecer-se-ão as actividades de prevenção, apostando no reforço da provisão de serviços junto das populações mais expostas ao risco de infecção pelo vírus HIV. 

Ao abrigo do plano anual, com um orçamento associado na ordem de 400 milhões de dólares americanos, a serem investidos através do Plano de Emergência do Presidente dos Estados Unidos para o Alívio do SIDA (PEPFAR), esforços adicionais serão feitos no sentido de atingir jovens na faixa etária 15-29 anos. 
Segundo a Ministra da Saúde, Nazira Abdula, que discursava na ocasião, disse o referido plano tem por objectivo apoiar os esforços do país a alcançar o controlo da epidemia, até 2020, no quadro dos objectivos 90-90-90 da ONUSIDA.
“A assistência do PEPFAR irá fortalecer a acção dos vários actores envolvidos na resposta ao HIV/SIDA, como o Conselho Nacional de Combate ao SIDA, o Ministério da Saúde, parceiros multilaterais de implementação, da sociedade civil e do sector privado”, disse Abdula, anotando que a renovação do plano é um ganho imensurável ao sector da saúde.
Os dados do IMASIDA de 2015, segundo a ministra, mostram um aumento da prevalência do HIV no país de 11,5 por cento em 2009 para os actuais 13,2 por cento, e cerca de 1,8 milhões de pessoas vivem com o vírus para além de 223 novas infecções diárias.
A província central da Zambézia apresenta cerca de 400 mil pessoas a viver com o vírus, cifra que corresponde a cerca de um terço dos dados nacionais. Por isso, segundo a titular da pasta da saúde, dentro do plano atenção especial será dedicada ao território, onde quarta-feira será feito o lançamento do Plano de Acção Local.
Nos últimos 10 anos, o país conseguiu oferecer cuidados e tratamento em 76 por cento das unidades sanitárias do Serviço Nacional de Saúde contra as 14 por cento em 2007, feito que contribuiu para que mais de um milhão de concidadãos beneficiassem do tratamento anti-retroviral (TARV), incluindo mais de 80 mil crianças.
Em 2007, apenas 88.211 concidadãos tinham acesso ao TARV e desde universo 6.210 eram crianças.
Desta feita, o governo reafirma o seu compromisso no aumento do acesso equitativo para os cuidados de saúde de qualidade e em pôr fim a ocorrência de novas infecções pelo vírus HIV no âmbito dos esforços globais, para alcançar o Controlo da Epidemia do HIV e as Metas Globais da ONUSIDA dos 90-90-90 até 2020.
“O Plano Operacional o qual lançamos hoje vem como uma estratégia de financiamento da resposta ao HIV, com intuito de controlar a epidemia, com enfoque na identificação de casos HIV positivos, aumento acelerado do acesso ao TARV e a circuncisão masculina, melhoria da retenção, na expansão do acesso do teste de carga viral”, disse a ministra.
As medidas preconizadas permitirão que sejam, segundo a fonte, alcançadas 375 mil novas pessoas a viver com o HIV em cuidados e tratamento e manter em cuidados cerca de 1,2 milhões de pessoas em tratamento em 85 distritos prioritários, com maior peso da doença, Gaza, Inhambane, Maputo província, Niassa, Sofala e Zambézia.
O plano contempla abordagens de prevenção através das quais serão alcançadas pouco mais de 4,7 milhões de pessoas no aconselhamento em testagem em saúde, circuncidar 178 mil homens com idade superior a 10 anos, alcançar jovens (15 aos 29 anos) em seis distritos de elevada carga da doença, através do projecto DREAMS.
No mesmo quadro, serão expandidos projectos para o alcance das populações chaves e prioritárias, bem como na redução da proporção entre homens e mulheres que iniciam o TARV durante o período entre Outubro de 2017 a 30 de Setembro de 2018.
(AIM)