Imprensa

Projecto de gás da Anadarko bem encaminhado

Projecto de gás da Anadarko bem encaminhado

O Presidente da República, Filipe Nyusi, disse que o projecto de gás natural na Bacia do Rovuma, que está sendo levado a cabo pela multinacional norte-americana ANADARKO, está bem encaminhado, esperando-se que até ao final do ano possam ser tomadas decisões importantes para que se passe a fase de financiamento e respectiva implementação.

A relativa demora que se regista, segundo Nyusi, tem a ver com o facto de o processo contar com muitos intervenientes e a necessidade de acautelar os interesses das partes envolvidas.
“Nós, governo, não estamos sossegados quando as coisas não acontecem. E tem que acontecer com a maior celeridade, mas de forma cautelosa, porque grandes projectos como este de gás não se pode conduzir de maneira simplificada, por emoção ou não, porque urge corrigir os erros. Alguns já cometemos e não devemos cometer mais vezes, daí que o processo está a levar o seu tempo”, explicou
Nyusi falava a jornalistas durante o balanço da visita de trabalho de três dias que vinha efectuando aos EUA, durante a qual participou na XI Cimeira bienal de negócios EUA/África e manteve encontros com vários dirigentes da área politica, diplomática e empresarial, entre outras actividades.
.
Detalhando, disse que, no caso deste projecto, há que acautelar questões como o reassentamento, o envolvimento de outros sectores de apoio, incluindo a construção de infra-estruturas de apoio, e todo um conjunto de cadeia de valor, entre várias acções de vital importância para o curso normal do projecto.
Mesmo assim, Nyusi disse que o país deu um passo importante e os consensos alcançados nos encontros havidos, particularmente o que aconteceu esta quinta-feira com o Presidente e CEO da ANADARKO, Al Walker, deverão ser debatidos em sessão de Conselho de Ministros. 
“Neste caso não será azo do governo com ANADARKO e nem com Instituto Nacional de Petróleos (INP), mas vai ser um processo onde os outros intervenientes devem fazer parte do pacote”, disse.
A sua saída do encontro com o Chefe de Estado moçambicano, Al Walker disse a jornalistas que havia um conjunto de questões de carácter legal por resolver, manifestando-se também optimista na sua resolução o mais cedo quanto possível.
Sobre a sua visita, em geral, Nyusi disse ter sentido que o país conseguiu alcançar os objectivos que haviam sido delineados nas componentes político-diplomática e económica, particularmente no que diz respeito a exposição das potencialidades e oportunidades de negócios, bem como na mobilização de investimentos.
“Nos fizemos nosso programa de trabalho que visava a actividade política e diplomática, explorando no máximo o novo ciclo de governação neste país. Já estivemos aqui no ano passado onde manifestamos as nossas linhas de comprometimento mas era importante virmos de novo para reforçarmos a nossa cooperação e reajustá-la', disse.
“Este trabalho foi feito com a máxima perícia”, afirmou Nyusi, para quem “a grande mensagem nestes momentos foi de transmitir a firmeza e responsabilidade do governo de Moçambique”
“Não foi preciso fazer muito esforço porque essa firmeza é lida no acto e nas acções e Moçambique está exposto ao mundo”, afirmou
Após os tres dias de visa aos EUA, o Presidente Nyusi viaja ainda hoje para Havana para uma visita oficial a Cuba que termina Domingo.
(AIM)