Imprensa

Reconciliação também significa aceitar ideias da parte contrária

Reconciliação também significa aceitar ideias da parte contrária

O Processo de reconciliação entre as pessoas deve incluir a vontade de ouvir e aceitar as ideias e opiniões da parte contrária, com vista a consumar o maior desiderato comum desse exercício delicado que consiste no reencontro.

O sentimento foi expresso, sábado, pelo Presidente da República, Filipe Nyusi, no comício popular que orientou no Posto Administrativo de Mazivila, distrito do Bilene, onde comemorou com alegria os primeiros dois anos e seis meses do mandato, que foram marcados por muitas adversidades em várias frentes.
Após a sua investidura, o país viveu experiências que constituíram um verdadeiro desafio à sua liderança, como foi o caso das hostilidades militares, as cheias na região centro que deixaram a zona norte sem corrente, a desaceleração dos preços dos principais bens de exportação nos mercados internacionais.
Mas no caso do diálogo com o líder da Renamo, que, por sinal, saldou-se no anúncio de uma trégua, por tempo indeterminado, Nyusi disse estar a investir no aprimoramento do diálogo com vista a reconciliação.
“A reconciliação é também entendermos o que o outro diz, que nos permite o reencontro”, disse o presidente, apontando que as vontades geram impaciência, marcada por sugestões sobre como o governo devia fazer as coisas, mas perdendo de vista que não está a comparticipar em particular quando a apreciação sobre os avanços é negativa.
Nyusi, que revelou em comício ter mantido um contacto telefónico com o líder do maior partido da oposição no país, disse, na declaração à imprensa, saber o quão os jornalistas estavam muito curiosos de saber o teor da conversa.
“Eu sei que estão muito curiosos de saber o que falei com o líder da Renamo, quando ontem disse que falamos. Mas conversa como essa calhou ontem, até porque falamos e falamos muitas vezes, mas não queremos relatar”, afirmou o presidente, apontando que, no processo de diálogo, o que está a acontecer é uma questão de procedimento, sendo que os resultados são aqueles que todos têm estado a visualizar.
Recorrendo a uma alegoria ferroviária, donde foi durante muitos anos trabalhador, o estadista moçambicano disse que “o comboio estava descarrilado, mas o povo devolveu ao trilho e está a andar a velocidade lenta e vai aumentar a sua velocidade”.
(AIM)