Imprensa

Terminal Oceânica da Beira pode entrar em funcionamento em janeiro

Terminal Oceânica da Beira pode entrar em funcionamento em janeiro

O projecto da terminal oceânica da Beira, no centro de Moçambique, para armazenamento, enchimento e distribuição de gás liquefeito, poderá entrar em funcionamento em Janeiro do próximo ano.

A terminal compreenderá três tanques, com capacidade total de armazenamento de três mil toneladas métricas de gás. Em termos de produção, prevê-se o enchimento de 600 botijas por hora. Em caso de camiões, possuirá a cubicagem de seis veículos de 25 toneladas por dia.

“As obras já estão na fase conclusiva, tendo em conta que estão no intervalo de 70 a 80 por cento em termos de execução”, precisou esta quarta-feira o gestor do projecto, em representação da Petromoc, Luís Mavie, falando à margem da visita de trabalho da ministra dos Recursos Minerais e Energia, Letícia Klemens, a província de Sofala.
O recinto tem uma área de 60 mil metros quadrados, contando com o ponto de enchimento para camiões e, outro, para botijas, escritórios e outras infra-estruturas.
“A nossa previsão é de terminar as obras entre Novembro ou Dezembro do ano em curso. Como a indústria do gás é complexa, só vamos começar a produção em Janeiro”, prometeu Mavie, citado hoje pelo “Diário de Moçambique”.
As construções tiveram seu início a 15 de Julho de 2015. A sua conclusão estava prevista para Agosto do ano passado. Todavia, de acordo com Mavie, devido a condições climátéricas, registou-se um atraso.
Com o financiamento da Exim Bank of India (Banco de Exportação e Importação da India), o empreendimento está avaliado em 38 milhões de dólares norte- americanos.
Falando a jornalistas depois de visitar as obras, a ministra dos Recursos Minerais e Energia afirmou que, com entrada em funcionamento da terminal oceânica da Beira, Moçambique quer tornar-se líder no mercado regional.
“Terá um impacto enorme. Queremos ser líderes no mercado regional e vamos dar uma grande resposta àquilo que são as necessidades internas e regionais, e colecta dos impostos” , sublinhou Klemens.
Esta será a segunda terminal de armazenamento, enchimento e distribuição de gás liquefeito no país, depois da implantada na cidade da Matola, na província meridional de Maputo.
(AIM)