Imprensa

Machatine exige transparência na venda de imóveis em ZINTAVA

Machatine exige transparência na venda de imóveis em ZINTAVA

O Ministro das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos, João Machatine, exige transparência no processo da venda de imóveis do projecto "Habita Moçambique - Zintava I".

Machatine deixou o recado hoje ao Fundo para o Fomento de Habitação (FFH), durante a cerimónia de inauguração de 64 apartamentos da fase I do projecto "Habita Moçambique”, que contempla um conjunto de 160 casas no distrito de Marracuene, província de Maputo.

As referidas casas destinam-se à venda de jovens moçambicanos que não possuem casa própria e condigna.

Machatine recomenda que, na qualidade de gestor do projecto, o FFH deve criar formas de averiguar se os candidatos seleccionados, mediante um concurso público, não estarão a adquirir uma segunda, terceira ou mesmo quarta casa.

"Que haja muita transparência na atribuição (venda) destes imóveis. O nosso objectivo é que as casas devem ser vendidas às pessoas que ainda não têm casa própria e condigna, esta é a prioridade das prioridades", sublinhou.

Advertiu que as casas não podem servir pessoas que pretendem fazer negócio ou seja para aqueles que já possuem uma casa.

Explicou que a inauguração de parte dos apartamentos representa um passo em direcção à meta, há muito almejada, que é prover o maior número de casas para os moçambicanos.

"O projecto que acabamos de inaugurar insere-se no Programa Quinquenal do Governo na componente de provisão de habitação condigna para os moçambicanos. O governo auto-propôs-se a promover cerca de 35 mil habitações", sublinhou.

Segundo Machatine, o governo reconhece que as casas hoje inauguradas estão longe de suprir as necessidades, mas há sinais claros de que o futuro é cada vez mais promissor na área de habitação em Moçambique.

"Aquando do processo de candidaturas para se beneficiar dos apartamentos, tivemos cerca de três mil candidatos. Este número é animador sobretudo para os investidores, porque afinal de contas o mercado de habitação é rentável. Queremos lançar um desafio ao sector privado e àqueles que gostariam de aplicar os seus recursos financeiros, o pudessem fazer através do investimento imobiliário", disse.

Machatine falou do desempenho do ministério que dirige na área de habitação, onde destacou a construção de 773 nos últimos cinco anos um pouco por todo país.

Estiveram envolvidos em todo ciclo de construção cerca de 400 trabalhadores, entre permanente e sazonais. Para a construção dos quatro blocos (64 apartamentos), foram investidos cerca de 280 milhões de meticais (um dólar equivale a 62 meticais ao câmbio corrente), incluindo os arranjos exteriores e outras amenidades.

Os apartamentos são vendidos ao preço de 3,682,609.70 de meticais para tipo 2 e 4,212,705.30 para tipo 3. Para os apartamentos do T2 a prestação mensal é de 16,936.11 meticais por um período de 20 anos e 19,373.99 para T3.

O Conjunto Habitacional de Zintava, que ocupa uma área de 21 hectares está sendo implementado em duas fases. A primeira designada Zintava I, contempla 64 apartamentos T2 e T3, e a segunda 96 apartamentos a iniciar brevemente.

Habita Moçambique, visa responder as necessidades de habitação do país, tendo como foco desenvolver projectos e estruturar a acessibilidade à habitação a todos segmentos da população, sobretudo para jovens e funcionários públicos.
(AIM)