Imprensa

PR anuncia prorrogação do Estado de Emergência pela terceira vez

PR anuncia prorrogação do Estado de Emergência pela terceira vez

O Presidente da República, Filipe Jacinto Nyusi, prorrogou ontem, pela terceira vez consecutiva, o Estado de Emergência para reforçar a prevenção contra a propagação da Covid-19 no país.

"Entre relaxar, manter ou agravar, decidi, devidamente aconselhado, prorrogar pela terceira vez o Estado de Emergência por mais 30 dias", declarou o estadista, que também anunciou a retoma gradual das aulas nos ensinos superior, secundário e primário. 

O Presidente Nyusi indicou que a retoma faseada de aulas presenciais em todos os graus de ensino, será de acordo com calendários a divulgar dentro de dias pelas instituições que tutelam cada grau de ensino.

Porém, em relação aos ensinos superior e técnico-profissional, particularmente, o Chefe do Estado disse que a retoma compreenderá duas fases: a primeira incidirá sobre os dois últimos anos de cada curso, e a segunda abrangerá todos os outros níveis.

A decisão tomada pelo Chefe do Estado entra em vigor à 00.00 hora do dia 30 de Junho e termina às 23.59 horas do dia 29 de Julho próximo, e justificou-a pela necessidade de criar um equilíbrio entre a economia e a saúde dos moçambicanos.

"Decidimos, pois, manter o nível 3 do Estado de Emergência, e adequar, de forma faseada, algumas medidas com impacto na economia do país, permitindo que alguns sectores de actividade possam funcionar", disse o estadista. 

Por outro lado, voos internacionais, que estão proibidos desde o mês de Maio, para alguns países seleccionados, vão ser permitidos num regime de reciprocidade, porém espectáculos e festas, assim como locais de culto religioso e bares continuam a ser proibidos, com museus e galerias a poder voltar a abrir, com lotação limitada.  

"A prevenção continua a ser o nosso o único caminho, estamos certos de que é preciso corrigir o desleixo e desrespeito na implementação das medidas já traçadas, e estamos certos de que é crucial encontrar um balanço justo entre economia e saúde", afirmou o Chefe do Estado. (PR)